Cá por Casa Faz-se Assim: Rissóis no Forno!

Não, não vou pôr aqui uma receita de rissóis; primeiro porque já existem milhares e segundo porque eu nunca os faço da mesma maneira! 🙂

Vou, sim, deixar-vos uma sugestão: Fazer os rissóis no forno, em vez de os fritarem em óleo! Já que o verão se aproxima (assim espero…), há que cuidar um pouco da linha. E mesmo que não nos preocupemos com a linha, convém fazer uma alimentação saudável e, por isso, evitar gorduras em excesso.

Se fritarmos os rissóis, eles irão sempre ficar gordurosos, por mais que os escorramos. Por outro lado, se os pusermos no forno, ficam igualmente saborosos mas sem o factor gordura… Basta pré-aquecer o forno a 225ªC, forrar um tabuleiro com papel vegetal, dispor nele os rissóis e colocar no forno cerca de 30 minutos, virando os rissóis mais ou menos a meio do tempo. E podem ir para o forno congelados e tudo! Nesse caso, basta deixá-los no forno durante mais alguns minutos.

???????????????????????????????

Por aqui são muitas vezes consumidos em conjunto com uma saladinha! Garanto-vos que fica uma refeição deliciosa. 🙂

Anúncios

Para o leite não entornar…

Imagem retirada daqui.

Imagem retirada daqui.

Uma das coisas que eu mais detesto é pôr leite a aquecer, distrair-me com alguma coisa e o leite vir todo por fora quando ferve! É que fico mesmo irritada, só de pensar que por causa de dois ou três segundos de distracção vou ter de limpar o fogão todo! Alguns truques para evitar esta situação são os que se seguem:

Antes de colocar o leite no fervedor (ou em qualquer outro recipiente adequado), coloque no fundo um pires virado para baixo; assim, o leite não vem por fora; (não faço ideia porquê, mas deve ter a ver com a bolsa de ar que se cria no fundo com o pires virado para baixo).

Outra possibilidade, quiçá mais simples, passa por colocar uma colher de metal dentro do fervedor, enquanto o leite aquece; mas cuidado para não se queimarem ao retirar a colher! Ela vai aquecer e não é pouco.

Já agora:

Antes de ferverem o leite, passem o fervedor por água fria mas não o sequem; assim, o leite não fica como que “colado” às paredes do fervedor, facilitando a limpeza do mesmo.

Quando guardarem o leite no frigorífico tapem-no sempre, para evitar que absorva odores; se costumam guardar o leite no próprio pacote podem utilizar uma simples mola da roupa, por exemplo; outra hipótese é guardarem o leite num jarro de sumo com tampa, de plástico ou de vidro.

Fonte: 500 Segredos Culinários.

O Avental Perfeito!

Cooking World - O Avental PerfeitoEu quero este avental!!!

Tal como provavelmente muitos de vocês, eu vejo-me e desejo-me de cada vez que preciso de converter medidas culinárias de um sistema para outro…

Pois descobri na Suck UK a solução para este pequeno (enoooorme) problema: um avental todo jeitoso, carregadinho de informações úteis e sempre à mão! De entre elas, destacam-se:

  • Conversões numéricas
  • Tempos de cozedura dos vários vegetais
  • Tempos de forno para aves
  • Instruções para congelamento
  • Tempos de descongelamento
  • Um glossário de termos culinários

Mas há mais! E está disponível em inglês e em francês (pois, em português não há…), por £15.00. Perfeito não só para nós, que cozinhamos diariamente, mas também para oferecermos aos familiares e melhor ainda para quem está a iniciar-se nas artes da culinária!

Fonte: Suck UK.

Bouquets de Ervas Aromáticas

Cooking World - Ervas AromáticasÉ bastante comum encontrarmos várias receitas que pedem um ramo de ervas aromáticas na sua confecção. Ora isto, que para algumas de nós parece tão simples, para outras pode ser bastante complicado, por isso aqui ficam algumas considerações sobre os raminhos ou bouquets de ervas aromáticas:

1. Os raminhos de ervas aromáticas podem referir-se a ervas frescas ou a ervas secas, pelo que convém que esse pormenor seja especificado nas receitas; se não o for, parte-se do princípio que se tratam de ervas frescas.

2. Os bouquets de ervas são originários de França (eu não fazia a menor ideia… e vocês?) e são compostos por pelo menos 3 tipos de ervas; as mais comuns são a folha de louro, a salsa e o tomilho, mas podem ser feita qualquer combinação ao gosto de quem vai cozinhar e também segundo o alimento em questão – alecrim, oregãos, coentros, manjericão, cebolinha, salvia, hortelã, etc.

3. As ervas devem ser envoltas por uma gaze ou por uma folha de outro vegetal (alho francês ou aipo, por exemplo) e atadas com fio de cozinha.

4. No caso de se utilizarem ervas secas moídas, estas devem ser colocadas dentro de uma gaze que depois se fecha como se fosse um saquinho ou então podemos recorrer a um filtro de chá.

Fonte: Gastronomía&Cia.

Cá por Casa Faz-se Assim: Alho Prontinho a Usar

Cooking World - Alho em AzeitePor estas bandas, assim que chegam das compras, as cabeças de alho são imediatamente desmanchadas! Os dentes são todos separados e descascados e a seguir são colocados num frasco de vidro e cobertos com azeite.

Assim, só fico com as mãos a cheirar a alho de longe a longe, tenho alho sempre pronto a usar e ainda consigo ter sempre azeite aromatizado com alho!

O frasco é guardado na despensa, longe da luz solar e os dentes de alho aguentam-se por vários meses. 🙂

Poupa-se trabalho, poupa-se tempo e evita-se desperdiçar dentes de alho secos pelo tempo!

Muffins vs Cupcakes

Cooking World - Muffins vs Cupcakes

Imagem retirada da internet via Google Imagens

Parece-me relativamente óbvio que um muffin não é igual a um cupcake… Mas será que sabemos mesmo quais são as diferenças? Eu fui investigar o assunto e fiz algumas descobertas. 🙂

Os muffins:

  • São menos doces que os cupcakes
  • A massa é mais saborosa que a massa dos cupcakes
  • Não têm cobertura (ou não devem ter)
  • A proporção entre a farinha e o açúcar é de cerca de 2 a 3 medidas da primeira para uma medida do segundo, o que torna os muffins menos doces e mais pesados que os cupcakes.

Os cupcakes:

  • Têm sempre cobertura
  • O sabor provém principalmente da cobertura e não da massa
  • A massa é mais rica em gemas e manteiga que os cupcakes
  • A proporção entre a farinha e o açúcar é de aproximadamente 1,5 medidas da primeira para 1 medida do segundo, o que torna a massa mais fofa mas também muito mais doce.

Mas a principal diferença é mesmo o método utilizado para misturar os ingredientes; nos muffins, por norma, misturam-se todos os ingredientes secos, à parte todos os ingredientes líquidos e depois integra-se este último preparado no primeiro. Nos cupcakes, começa-se por misturar a manteiga com o açúcar e bater bem, adicionam-se depois os ovos/gemas e finalmente vai-se alternando os restantes ingredientes sólidos com os líquidos.

O vídeo que se segue explica tudo isto e ainda mais alguns pormenores:

Fonte: America’s Test Kitchen

Transformar Óleo em Azeite?

Cooking World - Transformar Oleo em Azeite

Imagem retirada da internet via Google Imagens

Acabei de ler, numa das minhas muitas pesquisas sobre o mundo da culinária, que se colocarmos algumas azeitonas pretas furadas com um garfo e um alho esmagado num frasco com óleo de cozinha e o deixarmos no frigorífico durante alguns dias, o óleo fica a saber a azeite. Não se transforma em azeite, mas fica com um sabor muito semelhante…

Outra dica para obter o mesmo efeito é partir os caroços das zeitonas, colocá-los num recipiente com óleo e deixar ficar durante 3 meses.

Não faço ideia se qualquer uma destas soluções resulta, mas vou experimentar. É óbvio que o azeite é muito melhor em termos de saúde, mas o facto é que está a ficar caríssimo, por isso, se resultar, esta até poderá ser considerada uma medida de poupança. 🙂

Mas reforço que não é para substituir o azeite por óleo! O primeiro deve sempre ser o eleito na nossa alimentação, seja como tempero ou para cozinhar.

Fonte: 500 Segredos Culinários

Arroz: Dicas Rápidas II

Continuando as dicas sobre a melhor forma de resolver problemas em relação ao arroz, aqui ficam mais umas quantas:

1. Para aquecer o arroz já cozido, basta colocá-lo numa rede escorredora e levar ao lume dentro de uma panela com três ou quatro dedos de água. Deixe a água da panela ferver durante alguns minutos para que o arroz fique quente e soltinho.

2. Se o arroz queimou, coloque o tacho, destapado, em cima de uma toalha molhada. O cheiro e o gosto de queimado desaparecerão.

3. Para soltar restos de arroz do fundo do tacho, coloque um pouco de água e vinagre e deixe ferver. O arroz sairá facilmente.

4. Para tirar o excesso de humidade do arroz guardado em latas, é só colocar uma fatia de pão seco lá dentro. O pão deixa o arroz seco e soltinho.

5. O cheiro e o gosto de queimado sairão facilmente se você enfiar no arroz uma cebola cortada ao meio.

6. Para tirar o cheiro do arroz queimado, basta colocar algumas fatias de pão de forma por cima e tapar o tacho por alguns minutos.

7. Outra estratégia é colocar pouco do arroz do tacho em cima do lava-louça e em seguida colocar o tacho do arroz em cima do arroz tirado. Deixando assim por cinco minutos, o gosto de queimado sairá facilmente. (Parece-me estranho, mas lembro-me de ver a minha avó fazer isto…)

8. Você pode dar um sabor muito especial ao risoto se colocar um pouco de cravo-da-índia no tempero.

9. Cozinhe o arroz sempre com o tacho tapado. Assim ele não perde nem o sabor nem a consistência.

Fonte: 500 Segredos Culinários Revelados.

Arroz: Dicas Rápidas I

O arroz é um dos acompanhamentos mais básicos, rápidos e práticos para quase todos os tipos de pratos; Além disso é versátil e pode ser feito de diversas forma e com diversos outros alimentos misturados. Mas também é verdade que fazer um bom arroz nem sempre é tarefa fácil e por vezes as coisas não correm lá muito bem… Aqui ficam algumas dicas rápidas e muito simples sobre o que fazer em diversas situações:

1. Lave o arroz e refogue. Coloque água fervente e deixe ferver por cinco minutos. Desligue o lume, enrole o tachocom folhas de jornal e em seguida embrulhe numa tolha turca ou numa manta. Deixe o tacho assim durante quinze minutos. Ao abrir, o arroz estará cozido e quente.

2. Se você esquecer de colocar sal no arroz e ele já estiver cozido, misture a quantidade de sal para aquela porção num copo de água e deite por cima do arroz. Leve o tacho de volta ao lume até secar.

3. Para saber se a água do arroz que está a cozinhar já secou, basta apagar lume, molhar o dedo e bater no lado de fora do tacho, como se faz com o ferro de engomar. Se o tacho estalar, significa que a água já secou; se não estalar, o arroz ainda tem água.

4. É possível preparar uma porção de arroz para vários dias refogando-o com bastante óleo, alho amassado e sal, até se soltar do tacho. Depois, guarde o arroz no frigorífico num recipiente de plástico ou de vidro tapado. Retire do frigorífico só a quantidade que vai usar em cada momento e cozinhe normalmente.

5. Quando o arroz estiver pronto, faça um furo com um garfo e coloque no seu interior uma colher de sopa de vinagre. Baixe o lume e deixe cozinhar por mais dois minutos. O arroz ficará mais soltinho.

6. Coloque o arroz do dia anterior num tach0 com um pouco de água, mexa, tape e leve a lume baixo. Depois de alguns minutos ele ficará soltinho e saboroso como o arroz feito no dia.

7. Se o arroz queimar, coloque imediatamente o tacho ainda quente e com vapor dentro de um recipiente com água fria. Após alguns minutos o cheiro de queimado desaparecerá. Tire o arroz do tacho sem raspar o fundo que queimou.

8. Para um rápido cozimento, faça o arroz na panela de pressão. Quando a panela começar a chiar, deixe ao lume por dois minutos. Espereque arrefeça um pouco e liberte toda a pressão antes de abrir.

9. Se você pôs muito óleo para refogar o arroz, coloque a água para cozinhar junto com algumas folhas de alface por cima. As folhas de alface absorverão o excesso de óleo.

Fonte: 500 Segredos Culinários Revelados.