Ar da Serra: Licores

Nota Cooking: Crónica semanal da responsabilidade da nossa colaboradora Ana Luísa Paulo.

Licor Serrano, é o que vos trago.

Este Licor é delicioso!ff1f6422a5a311e2a63622000a9e28ec_6

E fala alguém que não é amante de bebidas alcoólicas. Mas, tenho de confessar que este licor me fascina!! É doce, mas não excessivamente doce. É muito suave! E bebe-se tão bem.

Como é que o descobri? Numa feirinha de artesanato de Gouveia, há cerca de dois anos. Naquelas feirinhas onde vamos passando e provando bebidas e doces!! Provei este e encantei-me! Claro que trouxemos uma garrafa e claro também que já está no fim.

Agora deixem-me dizer como é que este licor me sabe bem: Ao fim do jantar, depois de tomar um café. Deito um fundinho de licor no copo do café! E sabe tão bem!

Esta maravilha vem de uma empresa produtora de Bebidas Espirituosas e Licores há mais de 20 anos, situada no vale do Zêzere, Zimbro Licores Serrano, lda.

(Imagem cedida pela autora) Ana Luísa Paulo

Ar da Serra: Presunto

Nota Cooking: Crónica semanal da responsabilidade da nossa colaboradora Ana Luísa Paulo.

Hoje vou falar-vos sobre presunto.cooking world- ar da serra- P

É apetitoso o prato que está na foto, não é?

O presunto é obtido a partir das pernas traseiras do porco e depois é sujeito a um processo de cura.

Este processo de cura é o seguinte:

A Salgadeira: a perna do porco é colocada numa arca de madeira (geralmente construida com 4 pés para evitar a humidade) – a salgadeira – e coberto de sal. O tempo que a perna fica na salgadeira depende do seu peso. Normalmente, e segundo o meu pai, é um dia por cada kilo da perna.

Hoje em dia, damos cada vez mais importância ao excesso de sal e por isso, o processo de cura de alguns presuntos já envolve uma menor quantidade de sal.

A Secagem: Depois dos dias devidos na salgadeira, a perna é retirada do sal e lavada com água tépida, para que saia todo o sal que está à superficie. De seguida a perna é guardada (pendurada) durante algumas semanas num local fresco. Durante este tempo, o presunto vai perder algum peso. Depois de algum tempo, a perna é untada com um preparado de pimentão vermelho, azeite, vinho e louro e continua a secar.

Passadas umas semanas nasce um presunto maravilhoso!

Achei que era giro partilhar isto. Espero que gostem!

Nota: O responsável pela informação é o meu querido pai. 🙂

Quanto ao presunto da foto, não foi produzido pelo meu pai, mas sim pela empresa Saraivas. Uma empresa sedeada em Santa Marinha, Seia, que se dedica ao comércio de produtos alimentares.

(Imagem cedida pela autora) Ana Luísa Paulo.

Ar da Serra: Enchidos Princesa Serrana

Nota Cooking: Mais uma crónica semanal da nossa colaboradora Ana Luísa Paulo! 🙂

Hoje trago enchido! E Gouveia, mais uma vez.

Adoro enchido! Frito, cozido, de qualquer forma.

Portanto, trago Chouriça de Carne (feita com carne de suíno, vinho tinto, sal, alho e pimentão em pó) e Farinheira (feita com pão, carne e gordura suína, azeite, cebola, sal, alho, pimentão em pó, pimenta preta e cominhos).

Estes enchidos vêm da Salsicharia Princesa Serrana, LDA Uma empresa que se dedica à fabricação e venda de produtos à base de carnes, sediada na zona industrial de Gouveia.

Esta empresa seca o enchido segundo as técnicas tradicionais, no chamado fumeiro, ou seja, expõem o enchido ao fumo para que se conserve e adquira as últimas características.

Esta parte é muito engraçada…

A minha avó materna fazia enchidos e ainda me lembro de ver as chouriças, as farinheiras e as morcelas a secar, num fumeiro improvisado na cozinha, em cima da lareira.

Ainda há pouco tempo ouvi a minha mãe dizer gostava de fazer um mini-fumeiro na casa de campo.

Talvez daqui a uns tempos faça uma reportagem com a minha mãe a fazer enchido! 🙂

(Imagens cedidas pela autora) Ana Luísa Paulo.

Ar da Serra: Queijo Torre

Nota Cooking: Cá está a rubrica semanal sobre produtos da Serra da Estrela, da responsabilidade da colaboradora Ana Luísa Paulo. 🙂

Cooking World - Queijo TorreTrago queijo, mais uma vez! (Porque o melhor queijo, é da Serra!!). Nem parece de alguém que odiava queijo, pois não?! Pois é, mas tenho a dizer que este é o que mais gosto.

Queijo do Sabugal. O queijo Torre é produzido na empresa Lactibar, uma empresa de lacticínios sedeada em Rendo, que se dedica exclusivamente ao fabrico de queijo.

Este é um queijo de vaca, curado, não é salgado e tem um sabor muito leve e amanteigado.

É uma delícia! Eu adoro comer uma fatia deste queijo com pão de centeio. Mas, dizem os entendidos, que também é muito bom quando comido com marmelada.

Talvez um dia experimente!

Podemos encontrar o queijo Torre nos supermercados Pingo Doce e em pequenos comerciantes locais. Procurem e provem.

Acho que não se vão arrepender!

(imagem cedida pela autora) Ana Luísa Paulo

Ar da Serra: Pão do Museu

Nota Cooking: Nova contribuição da nossa colaboradora Ana Luísa Paulo! 🙂

Cooking World - Pao do MuseuPão do Museu, é o que vos trago hoje.

Na foto, está um pão de centeio delicioso, do Museu do Pão.

O Museu do Pão está situado em Seia (na Quinta Fonte do Marrão) e o seu objectivo é preservar e dar a conhecer o património ligado ao pão português.

No Museu, ao visitar as várias salas, percebemos todo o ciclo tradicional do pão, através dos painéis ilustrados e dos utensílios que ali estão expostos.

E depois de uma visita ao museu, de uma bebida no bar ou de uma refeição no restaurante, é obrigatória a passagem pela mercearia. Onde podemos comprar um dos maravilhosos pães que lá se vendem.

O Pão de Chocolate é o que eu mais gosto!

O Museu do Pão é uma paragem obrigatória para quem estiver pela zona da Serra da Estrela.

(Imagem cedida pela autora) Ana Luísa Paulo.

Ar da Serra: Vinho do Dão

Nota Cooking: A terceira crónica da Ana Luísa Paulo, desta feita sobre… Vinho!

Cooking World - Vinho DaoHoje trago vinho do Dão.

Vinho tinto, produzido e engarrafado na Quinta da Ponte Pedrinha. A Quinta está situada em Lagarinhos, uma freguesia de Gouveia.

Este vinho data de 2008 e é produzido com castas típicas do Dão: Tinta Roriz e Jean. Diz o rótulo que é de “aroma compotado e especiado, mostrando-se elegante e equilibrado na boca“.

Deve beber-se à temperatura de 16/18ºC.

Tenho de confessar que não sou amante de vinho, mas um copo de vez em quando sabe muito bem, por exemplo, enquanto cozinho!

Este vinho pode ser comprado em qualquer hipermercado e o preço fica entre os 3€ e os 4€.

(Imagem cedida pela autora) Ana Luísa Paulo

Requeijão, Doce de Abóbora e Gouveia

Cooking World - Requeijao e Doce de AboboraHoje, além de requeijão e doce de abóbora, trago Gouveia, a minha cidade.

A  sugestão que apresento é uma deliciosa sobremesa ou lanche feito com uma fatia de requeijão e uma colher (generosa) de doce de abóbora.

Só o aspecto já é maravilhoso, não acham?

Eu acho! E confesso que não consigo resistir a este delicioso pitéu, antes das refeições, depois das refeições, ou a meio do dia.

Pois bem, o requeijão que aqui apresento vem da Quinta da Portela, uma empresa situada em Vila Cortês da Serra, uma freguesia de Gouveia, que fica num vale no sopé da Serra da Estrela. Para mim, estes requeijões são os melhores!

Já o doce de abóbora também é o melhor, porque foi feito cá em casa… E as coisinhas caseiras são sempre as melhores!!!

(Imagens cedidas pela autora) Ana Luísa Paulo

Queijo de Cabra

Cooking World - Queijo de Cabra OliveiralimentarInauguro esta crónica semanal sobre a maravilhosa região da Serra da Estrela, com queijinho.

Para que conste, esta opinião é de alguém que há um ano atrás não podia, sequer, cheirar queijo! Muito menos queijo da serra, que tem aquele cheiro bastante característico.

Isto mudou numa bela tarde em que me deram, pela enésima vez, um pedaço de pão com queijo da Serra!! E, daquela vez, soube-me muito bem!! Era quejo da Serra, daquele muito amanteigado (daquele que eu não conseguia cheirar) e soube-me bem! Fiquei encantada!

O queijo que vos trago hoje não é esse, mas sim um Queijo de Cabra maravilhoso. É um queijo pequeno de tamanho mas enorme em sabor; é suave e cremoso mas não é amanteigado; e não é salgado. Este queijo é distribuído por:  Oliveiralimentar, LDA – Senhor das almas – Oliveira do Hospital.

Uma fatia deste queijo numa tosta integral ou com uma fatia de pão (preferencialmente escuro) é uma deliciosa entrada e um saboroso lanche.

(Imagens cedidas pela autora) Ana Luísa Paulo

Ar da Serra

Imagem: Wikipédia

Imagem: Wikipédia

“Ar da Serra” é o nome da nova rubrica semanal aqui no Cooking World! Da responsabilidade e autoria da nossa colaboradora Ana Luísa Paulo, uma Serrana de alma e coração e com muito orgulho da terra que a viu nascer, esta rubrica pretende dar a conhecer os mais diversos produtos típicos da região da Serra da Estrela, bem como eventos gastronómicos e talvez ainda mais – Sim, porque a Serra da Estrela não é só queijinho…

A partir de amanhã e semanalmente às 4ªs feiras, a Serra da Estrela no Cooking World, pelas palavras de Ana Luísa Paulo :).